Foi hà seis anos atrás. O primeiro beijo. Bastante envergonhados por sinal, porque apesar de eu ser uma fala-pelos-cotovelos nestas coisas sempre fui a maior atada de sempre. Foi a Pata que te enviou a mensagem onde eu me mostrava disposta a tentar alguma coisa depois daquele concerto de Soja onde dormiram uma infinidade de amigos na casa que partilhava em Lisboa. Bem tinha dito que não me ia apaixonar, mas foi mentira. Ainda estou. Já os meus amigos todos sabiam que eu te queria, e nem com o empurrão do Pozes parecias chegar lá. 

“Nunca pensei que uma miúda como tu se interessasse por um gajo como eu”. Como não?
Foram horas e horas de boas conversas no Gladius, sobre a vida, o mundo, música, escolhas, o passado, o presente e o futuro. Foram esses olhos e esse sorriso. Foram alguns festivais e concertos que nos fizeram olhar um para outro e é por isso que eu digo que a música nos uniu e tem um papel tão importante para nós.

Depois da noite de 13 de Novembro de 2012 (ainda bem que tenho amigas como a Renata que decoram e marcam datas) nunca mais nos largámos e nunca o ponderamos fazê-lo nestes – já – seis anos.

Os primeiros foram logo um teste a tudo. A minha ida para Barcelona, semanas sem nos vermos. De cabeça a fundo nem pensei duas vezes quando, depois de dois anos, falamos em eu abandonar Lisboa e voltar para a nossa cidade para vivermos juntos. Vivia sozinha durante a maior parte das semanas porque estavas em trabalho por esse mundo fora. Não me importei, não era novo para mim, e sabia que cada minuto que estivesse contigo fazia tudo valer a pena.

Desde então que decidimos que íamos aproveitar o máximo mas de modo ponderado – ponderados acho que no fundo é a característica que nos resume melhor – e juntar uma definida quantia de dinheiro para largarmos tudo e viajar pelo mundo fora. O sonho, ao início uma coisa in alcançável, distante, mas o nosso sonho. Foram quatro anos assim. Amei voltar a Leiria, amei viver na Batalha. Amo as nossas meninas. Sempre estive feliz com as decisões que tomamos, todas.

Agora e seis anos depois do primeiro beijo, estamos juntos a viver aquilo a que nos propusemos.
Sem luxos, longe da nossa zona de conforto. Com a certeza que teremos sempre a segurança da nossa família e amigos para quando decidirmos voltar. Sem julgamentos, sem arrependimentos. Também sem pedido de namoro oficial – que vergonha – nem em noites de bebedeira te consegui fazer aceitar um pedido casamento ou coisa que o valha.

Não me importo. Agora temos o mundo e o abraço um do outro como casa. Estamos a explorar território, culturas, e acima de tudo a aprender sobre nós e sobre o outro. Tanto. Estás ainda mais bonito, mais puro, mais especial.
Tenho a certeza que toda a esta experiência nos vai tornar mais ricos de espírito e mostrar que juntos podemos tudo. Tudo!

Amo-te tanto.

Com amor,
Marta

Ao som de Linda Martini – Este Mar

4 Replies to “Seis”

  1. Aiiiiiiiii…. Vocês são qualquer coisa de extraordinário. Duas almas gêmeas raras. Que amor bonito e verdadeiro, que naturalidade e simplicidade. São o exemplo mais puro de que o amor e uma cabana existe.
    Vivam tudo o que planearam e depois, daqui a uns anos têm dar continuidade a esse amor. Vocês façam um filho carago ??
    Obrigada e continuem sempre assim ?

  2. Oh pah tenho uma lágrima no canto do olho! Eu sei que sou lamechas :p
    Felicidades para os dois e que sejam muito felizes!

    PS: Também faço anos de namoro hoje. 7 anos . E sem pedidos de namoro oficial também (já não há casais como antigamente :p )

    Beijocas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *